fbpx

Qual será o futuro do setor imobiliário pós-pandemia?

6 minutos para ler

A pandemia do novo coronavírus prejudicou muitos setores da economia no Brasil. As medidas de isolamento social não contiveram o índice de contaminação no país e continuamos sem perspectiva de retorno para a normalidade. Nesse contexto, o que esperar do setor imobiliário pós-pandemia? É o que falaremos neste artigo.

O setor imobiliário pode retornar à plenitude somente em 2021. No entanto, a tendência é de que seja um dos mais significativos na recuperação econômica brasileira. Isso mesmo, as perspectivas são otimistas!

Em 2020, era esperado um crescimento de 20% no mercado imobiliário em relação a 2019, o que não foi possível em função da pandemia. Esse crescimento foi adiado, ou seja, existe uma demanda reprimida e, na volta da antiga normalidade, os negócios deverão fluir.

Cabe ressaltar que a taxa Selic, que afeta a cobrança de juros no financiamento, é a mais baixa da história: 2% ao ano. E esse é mais um aspecto que deve ajudar o setor imobiliário pós-pandemia. Quer saber outras mudanças que devem ocorrer no setor? Siga a leitura!

Principais mudanças no setor imobiliário pós-pandemia

Forma de arquitetar, construir e morar

Uma das primeiras mudanças no setor imobiliário pós-pandemia deve ocorrer na arquitetura dos imóveis. Os modismos provavelmente ficarão em segundo plano. Isso, porque as pessoas irão prestar mais atenção não apenas no jeito de morar, mas também no de viver. 

Além disso, as mudanças serão percebidas na forma como as pessoas interagem com o seu entorno. Sair de casa pode deixar de ser uma opção, com alternativas cada vez mais interessantes de lazer em casa e tecnologias possibilitando que a pessoa tenha o que deseja entregue em seu endereço residencial.

No caso dos escritórios, o futuro será com salas menores, considerando a forte tendência de crescimento do trabalho home office. Isso, se deve ao fato de que diversos setores perceberam que a produtividade do funcionário pode ser a mesma no trabalho remoto e que, dessa forma, podem reduzir custos.

Localidades mais afastadas do centro

Em 2020, é normal que um funcionário improvise um local para realizar suas teleconferências. Depois que a situação se normalizar, é provável que as pessoas tenham um espaço destinado ao home office, onde uma reunião online não seja interrompida pelo fluxo da casa.

Antes, as pessoas davam preferência a imóveis perto de praças para as crianças. Contudo, isso deve mudar no futuro e impactar o setor imobiliário pós-pandemia, pois os pais escolherão imóveis que oferecem opções de lazer no próprio condomínio. Ou seja, o espaço interno ganhará mais importância.

Ainda, a perspectiva de crescimento do home office também pode gerar uma descentralização do mercado imobiliário. Podendo trabalhar em qualquer lugar com acesso à internet, as pessoas ficarão livres para viver em locais distantes dos grandes centros urbanos.

Atemporalidade dos projetos de design

Atemporalidade é outro aspecto que deve ganhar relevância no setor imobiliário pós-pandemia. Não fará sentido investir em produtos que perdem valor muito rápido ou em imóveis minúsculos, apertados e com poucos cômodos, que afetam a qualidade de vida da família.

Projetos ousados e diferenciados devem ganhar preferência, pois as pessoas precisam transformar suas casas em espaços altamente confortáveis para receber familiares, amigos e também para trabalhar.

Ideia de arquitetura da hospitalidade

O futuro também reserva a confirmação de algumas tendências, entre as quais, a arquitetura de hospitalidade. A expectativa é de que as áreas comuns, unindo serviços, interação e comunicação por meio da tecnologia, se destaquem nos novos projetos.

Essa mudança já aconteceu em alguns empreendimentos e deve ser mais forte no setor imobiliário pós-pandemia. A procura por imóveis com varanda, quintal e coworking também pode aumentar, consolidando esse movimento de transformação das casas em espaços multifuncionais.

Automação da gestão de condomínios

Outras duas mudanças estão extremamente ligadas ao avanço da tecnologia. A primeira delas é a automação da gestão condominial. Ou seja, o uso de sistemas automáticos para otimizar as tarefas de gestão. Abaixo, destacamos alguns:

  • Câmeras de segurança eletrônica;
  • Sistemas de controle da iluminação;
  • Controle de acesso com QR codes e/ou biometria;
  • Centrais de segurança remotas;
  • Reserva online de salão de festas;
  • Portaria remota e portaria virtual para condomínios.

Negociações e visitas guiadas digitais

A segunda mudança tecnológica está diretamente relacionada à internet, que mudou a forma como o consumidor pesquisa e compra produtos. Essa mudança também será percebida no setor imobiliário pós-pandemia, que precisará se atualizar.

Nesse sentido, uma das novidades é a possibilidade de fazer um tour virtual no imóvel. O cliente pesquisa o empreendimento na internet e a imobiliária disponibiliza a opção de visita online, que funciona de forma parecida com o Street View do Google, com fotos em 360º graus do imóvel.

Para o mercado imobiliário, isso significa que o cliente poderá ver os detalhes do imóvel desejado em todos os ângulos e sem sair de casa. Dessa forma, podem ser facilitadas vendas e aluguéis, nos casos em que o cliente não pode visitar o imóvel presencialmente.

O futuro do setor imobiliário

Alguns investidores podem se perguntar se valerá a pena investir no setor imobiliário depois da pandemia. A resposta é sim! Mais do que isso: o setor será determinante na retomada econômica do país, ao lado de setores como o de agronegócio e alimentos.

De acordo com uma entrevista do presidente do Secovi-SP, Basílio Jafet, ao Jornal Folha de São Paulo, as vendas no setor apresentam forte reação em Junho, depois dos prejuízos de abril e maio.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, é outro otimista em relação ao setor imobiliário pós-pandemia. No balanço do semestre, ele destacou o crescimento de 21% dos financiamentos habitacionais, em relação a 2019. Foram assinados dois mil contratos por dia e Junho foi o melhor mês dos últimos quatro anos, com R$ 11 bilhões em financiamentos.

Assim, em suma, algumas vantagens que as mudanças no setor imobiliário pós-pandemia pode trazer a corretores, arquitetos e consumidores são:

  • Comodidade para o cliente e para o corretor, facilitando vendas e negociações à distância; 
  • Segurança nos condomínios, com tecnologias avançadas e automáticas;
  • Valorização dos melhores projetos dos profissionais de arquitetura; 
  • Variadas opções de lazer na estrutura do condomínio.

E você, quer morar em um apartamento que ofereça todos esses benefícios e esteja conectado aos novos tempos? Então, entre em contato com a central de negócios da Bild. Podemos te ajudar!

Posts relacionados

Deixe um comentário

Pin It on Pinterest

Share This